Por Pollyana Batista em 20/03/2018

O site MD saúde, cujo médico especializado em Clínica Geral e Nefrologia, Pedro Pinheiro, é editor-chefe, traz informações sobre o que é e quais são os sintomas da clamídia em mulheres. Você já ouviu falar sobre esse problema de saúde?

Para começar, a clamídia é a doença sexualmente transmissível, causada por uma bactéria chamada Chlamydia trachomatis. Estudos revelam que entre 5 e 10% da população sexualmente ativa estejam contaminados por essa bactéria, embora nem todos saibam disso.

Como é transmitida a clamídia?

A clamídia é transmitida por relação sexual sem camisinha. Ela é mais comum em jovens e pessoas que possuem muitos parceiros sexuais.

A clamídia é transmitida por relação sexual sem camisinha

Segundo estudos, até 10% da população sexualmente ativa está contaminada por essa bactéria (Foto: depositphotos)

Outra forma de contaminação é de mãe para filho, durante o nascimento por parto normal. Não transmitem clamídia: beijo, banho coletivo de piscina, banheiros públicos.

Existem duas situações que podem transmitir a clamídia. A primeira ainda não está comprovada, mas os especialistas acreditam que pode acontecer. É por meio de roupas íntimas ou molhadas (como toalhas) trocadas entre pessoas que possuem a Chlamydia trachomatis.

Além disso, a bactéria também pode coexistir nos olhos, quando o paciente passa as mãos contaminadas com a bactéria nos olhos.

Veja também: Quando a coceira na vagina pode ser uma DST?

Quais são os sintomas?

A primeira coisa que você precisa saber é que a maioria dos pacientes são assintomáticos, ou seja, jamais vão descobrir que estão com a bactérias.

Por isso é que a clamídia é considerada a doença sexual mais comum do mundo inteiro, pois por não acusar sintomas, a pessoa acaba não sabendo que está com a doença e contamina outros parceiros.

Os sintomas mais comuns são: corrimento, coceira e/ou sangramento vaginal, dor abdominal e durante o sexo e ardência ou dor ao urinar. Ao menor desses sinais, procure um ginecologista.

Qual é o exame que identifica a clamídia

O exame para identificar a bactéria Chlamydia trachomatis é bem simples. Você deve coletar a sua urina ou por meio de uma amostra retirada com cotonete da sua vagina, uretra ou colo do útero. O resultado não demora a sair e pode ser acompanhado de um exame de sangue.

Veja também: Saúde íntima feminina: ginecologista tira 6 dúvidas sobre a vagina

Como é o tratamento da clamídia?

O tratamento contra a clamídia é feito com o uso prescrito de antibióticos

Mesmo depois de tratada, a bactéria pode se alojar novamente na mulher, caso não se previna (Foto: depositphotos)

Geralmente, o tratamento contra a clamídia é feito com o uso prescrito de antibióticos. Antes de iniciar a administração dos remédios, o paciente precisa ficar sete dias consecutivos em abstinência sexual.

Depois de tratada a clamídia pode voltar?

Sim. A bactéria pode se alojar novamente. Basta apenas que você mantenha relações sexuais com pessoas infectadas.

Por isso, é importante encaminhar todos os seus parceiros para fazer exames e tratamento adequado. Aliás, a clamídia não ocorre só em mulheres, mas em homens também.

Os sintomas masculinos são: ardência ou dor ao urinar, saída de corrimento purulento pela uretra, dor nos testículos, inchaço do saco escrotal e nos homossexuais passivos, a bactéria causa inflamação do ânus.

Se não tratada, quais são as consequências da clamídia?

De acordo com o artigo escrito no site MD Saúde, uma das principais complicações da clamídia é que a bactéria se aloje no útero ou ovário, por exemplo. Cerca de 10% das mulheres infectadas evoluem para esse quadro.

Veja também: Por que devo usar sabonete íntimo? Descubra já!

Um dos problemas mais graves que a Chlamydia trachomatis pode causar é a infertilidade e um aumento considerável das chances de desenvolver câncer do colo do útero.

Já as gestantes podem ter um parto prematuro ou causar pneumonia ou conjuntivite nos bebês, logo após o nascimento por parto normal.

Veja mais!