Publicado por Ana Ligia

Não bastasse a pele ser naturalmente um órgão tão sensível, ainda a expomos à agentes externos (e até mesmo os internos) que só a danificam ainda mais.

Mas existe um ingrediente chamado ativos epigenéticos que repara, reforça e protege a pele contra agressores como o sol e alterações imunológicas.

Não é só a poluição, muita exposição ao sol, clima seco, tempo frio também danificam a pele. Há ainda os fatores internos como falhas imunológicas, renovação celular comprometida, entre outros que também prejudicam a saúde da derme, gerando envelhecimento precoce e outros problemas estéticos.

Saiba como proteger a pele contra agentes nocivos

Foto: depositphotos

 O produto

A empresa Buona Vita Cosméticos é a pioneira em usar a pigenética e genética para tratamentos personalizados faciais e corporais.

A linha de produtos da Alchemy Genetic reforça, repara e protege a pele contra esses agressores, tanto internos quanto externos. O produto possui mecanismos de ação que estão ligadas à proteção e o fortalecimento da pele.

“Esses ativos agem formando um filme contra a evaporação transepidermal de água, devolvendo nutrientes perdidos por conta dos agressores, mantendo a hidratação e proteção (fortalecendo a função de barreira), protegendo o DNA celular dos raios UV e a poluição, bem como impedindo a formação de radicais livres e reparando danos”, explica a tecnóloga em estética, Isabel Luiza Piatti.

O açúcar na pele

O açúcar pode acelerar o envelhecimento da pele. “Quando consumimos muitos alimentos industrializados e ricos em açúcares, eles se ligam ao colágeno por meio de um processo de glicação que destrói as fibras colágenas, o que causa flacidez e rugas. Ativos antiglicantes protegem as proteínas e o DNA contra a glicação e a consequente formação de AGEs (produtos finais de glicação avançada, responsáveis pela alteração na função e aparência do tecido conjuntivo)”, explica.

Poluição e Sol

O produto também conta com uma composição que luta contra as ações da poluição e da exposição ao sol.

“Como a exposição solar contínua nos faz perder a defesa imunológica feita pelas células de Langerhans, os ativos fotoprotetores devem estar presentes nas fórmulas que, de preferência, devem ter proteção física, química, biológica e contra a luz visível. Já os ativos antipoluição impedem que os poluentes se alojem na pele e provoquem uma cascata de danos”, afirma a especialista.

Veja mais!