Por Lilian Druzian em 28/11/2011

Com a chegada do verão, a maioria das pessoas se dirige às praias, balneários e piscinas para aproveitar o sol nos momentos de lazer, mas, muitas acabam se entusiasmando e esquecem da proteção aos raios solares!

O que ocorre à pele que é exposta ao sol sem proteção?

Nossa pele sofre graves danos ao ficar exposta aos raios ultravioletas, as células epiteliais “murcham” pelo ressecamento e, algumas inclusive morrem, lesionando o tecido e causando lesões até no dna das células, responsáveis pela renovação celular, ou seja, o envelhecimento precoce surge daí, além do risco de desenvolvimento do câncer de pele! Essas são consequências microscópicas, em nível celular, cujos efeitos aparentes são vistos gradativamente, mas, uma exposição demasiada ao sol causa efeitos dolorosos, que podem até ser graves, como uma insolação, o que deixa a pessoa com mal-estar, febre, calafrios e, em casos graves, em que a queimadura foi extrema, pode necessitar internação hospitalar.

Sol em excesso

A primeira evidência na pele que não foi devidamente protegida do sol é a vermelhidão e a ardência e, em casos graves, bolhas. Também há coceira e descamação após alguns dias, o que pode se prolongar por semanas.

Melanina, proteção natural

A melanina é a proteção natural da nossa pele, é ela quem bloqueia a penetração dos raios UV. As pessoas de pele clara produzem menor quantidade de melanina, obviamente, tem menos proteção e necessitam usar mais recursos externos para se protegerem, como chapéus, bonés, guarda-sol, óculos de sol que tenham lentes com fator de proteção (sim, os olhos também sofrem com os efeitos do sol!) e, além disso, devem usar protetores ou bloqueadores solares com fator de proteção bem alto. Acontece, que em alguns casos, a exposição demasiada faz com que o metabolismo tente “concentrar”a melanina em determinadas áreas expostas, onde a pele esteja sofrendo e, assim, as manchas, como as sardas se formam, especialmente em áreas onde a pele seja mais sensível, como o rosto e o colo.

As queimaduras solares acontecem, quando a exposição aos raios UV é muito maior do que a concentração de melanina na pele.

Como prevenir a queimadura solar?

Use sempre:

  • Protetores e bloqueadores solares com fator de proteção de acordo com sua pele, quanto mais clara, maior deve ser o fator.
  • Chapéus, bonés, viseiras e guarda-sol, todos são um reforço para garantir a proteção da pele.

Tome sol em horários certos!

  • O aconselhável é pegar o sol da manhã até às dez horas e, à tarde, apenas após às dezesseis horas, pois nesses horários, ele estará menos intenso e sua pele corre menos riscos.

E, se por descuido a pele queimar? O que se pode fazer para tratar-se?

  • As compressas frias nos locais são a primeira opção, ou um banho frio. Podem ser aplicadas compressas feitas com infusão de ervas medicinais que tenham poderes calmantes e antiinflamatórios, como a camomila, chá verde, etc. Também a batata e o pepino em rodelas podem ser aplicados para alívio da ardência e regeneração mais rápida da pele.
  • A aloe vera, a conhecida babosa, tem excelente ação antiinflamatória e regenerativa. Seu gel  deve ser aplicado nas zonas queimadas da seguinte maneira: misturar duas colheres de chá do gel das folhas com 2 colheres de chá de mel e 2 gotas de óleo essencial de alfazema, misturar bem e aplicar nas partes atingidas. Obs.: se forem áreas mais extensas, aumente a receita nessas proporções.
  • A aveia é regeneradora e deve ser acrescentada em uma banheira, onde a pessoa deve ficar imersa por 20 minutos.
  • Salpique amido de milho na sua cama, isso ajuda a aliviar um pouco a irritação e a dor.

Veja mais!