Por Pollyana Batista em 11/05/2017

Uma pesquisa feita pela Vigitel (Vigilância de fatores de risco e proteção para Doenças Crônicas por inquérito telefônico) revelou que mais da 50% dos brasileiros estão acima do peso. Esse cálculo é feito levando em consideração o índice de massa corporal acima de 25 kg por m². Outros 17% da população está em estado de obesidade moderada, quando o resultado é 35 kg por m².

Tanta gente com sobrepeso faz com que as pessoas busquem formas diversas de emagrecer, podendo arriscar até mesmo a saúde que ainda lhes resta.

Já aqueles que apresentam obesidade mórbida, o perigo é ainda maior. Em casos nos quais outros tratamentos já foram empregados sem sucesso, muitos médicos sugerem um tipo de cirurgia: a bariátrica. Esse procedimento aumentou 7,5% entre os anos de 2015 e 2016.

O que precisa saber toda mulher que quer emagrecer com cirurgia bariátrica

Foto: depositphotos

Atento a esse crescimento, o médico Ricardo Staffa, especialista e membro titular do Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva, desvenda alguns mitos e confirma algumas verdades relacionados aos procedimentos bariátricos.

A cirurgia bariátrica é única

Mito. Existes diversos tipos de procedimentos operatórios. Todos eles têm como princípio reduzir o estômago. Com isso, o paciente diminui a ingestão de alimentos o que faz com que o mesmo perca peso.

As cirurgias bariátricas são de dois tipos

Verdade. Existem as restritivas que diminuem a capacidade do estômago retirando parte do órgão e colocando alguma prótese. Nesses casos estão incluídas as conhecidas por: balão intragástrico, gastroplastia vertical ou a banda gástrica ajustável. Além dessas, existem as cirurgias bariátricas mistas que unem a redução do estômago e o desvio do trânsito intestinal, que além de diminuir a ingestão ainda interfere na absorção dos alimentos.

As cirurgias bariátricas são seguras

Verdade. Apesar disso, elas oferecem riscos como qualquer outra cirurgia. Cerca de 1 a 2% das pessoas passam por complicação mais graves nas quais são necessárias algum tipo de intervenção. Isso é mais comum em pessoas que são hipertensas, diabéticas ou que têm problemas relacionados ao sono, como apneia.

As cirurgias bariátricas curam a obesidade

Mito. Por si só, o procedimento bariátrico não cura a obesidade, pois ela é uma doença crônica e como tal, diversos fatores precisam ser modificados e não só o tamanho do estômago. Por isso que é muito importante o acompanhamento do indivíduo em várias áreas, inclusive a psicológica. Isso é primordial para o sucesso a longo prazo do procedimento.

O tratamento não termina na mesa cirúrgica

Verdade. A cirurgia bariátrica é só o começo, pois o que vai fazer o paciente perder peso mesmo é a sua força de vontade e a mudança de hábitos de vida, incluindo a alimentação e a prática regular de atividades físicas. Nesses quesitos, é preciso que haja um tratamento multiprofissional, com endocrinologista, nutricionista e psicólogo.

Veja mais!