Por Daiane Silva em 07/12/2011

A busca pela boa forma e redução de medidas vai além dos cremes e tratamentos estéticos ou intervenções cirúrgicas. Atualmente, as mulheres encontraram uma maneira diferente de modelar a silhueta, afinando a cintura e chapando a barriga, usando o corset, que é a versão moderna dos espartilhos usados antigamente e considerados sinônimos de “tortura”.

A técnica de uso contínuo do corset chama-se Tight Lacing, ou, “laço apertado”, traduzindo literalmente. Funciona da seguinte maneira: a mulher usa o corset por muitas horas ou contínuamente para que as costelas chamadas de “flutuantes”, que são as últimas costelas, se moldem e se curvem, assim também a cintura. O famoso “formato violão”, onde a cintura é fina e a curva do quadril é saliente.

Cantora burlesca Dita Von Teese

Como é o corset do tight lacing?

O atual modelo é confeccionado de maneira diferente dos antigos espartilhos, com tecidos reforçados e barbatanas de metal, com ilhóses bem próximos. Ele também deve ser feito sob medida, proporcionando melhor adaptação ao corpo de quem o usará por longos períodos. Essa prática vai reduzindo as medidas gradualmente e, em alguns casos, há relatos de uma redução de até 75% da medida inicial da cintura após três meses de uso.

Alguns cuidados precisam ser tomados quanto à forma e tamanho da peça para que não cause nenhum prejuízo ao invés de benefícios: a parte superior não deve ser muito alta, para não causar incômodo ao sentar-se; na parte inferior, também não pode ser curto demais, sob risco de a gordurinha acumular na parte em que não houver pressão, causando uma barriguinha. Quanto ao tecido, não deve ser do tipo impermeável ou que dificulte a transpiração e, com relação à medida, quando fechado ele deve ter um diâmetro 10cm a menos do que a medida da cintura.

Na  prática…

  • A primeira coisa a saber é que não se deve querer vestir o corset e já apertá-lo ao máximo! É necessário que se tenha muita disciplina e até paciência para essa prática, caso contrário, muitos problemas podem ocorrer, especialmente com sua saúde! A praticante dessa técnica é chamada de tight lacer e deve ser cautelosa com seus objetivos com o uso do “espartilho”, já que algumas exageram na diminuição das medidas e ficam com uma cintura tão fina que se tornam dependentes do seu uso.
  • Aos poucos, a praticante consegue fechar todo o corset e se sentir confortável com ele, como se ele estivesse aberto, então, é chegada a hora de trocar novamente a peça, comprando uma novamente 10cm menor que sua cintura atual. A antiga peça pode ser usada apenas para dormir, para que a tight lacer se sinta confortável e poupe a peça nova. E assim deve ser feito até que a cintura esteja como sonhada!
  • A colocação de um corset deve ser feita em frente a um espelho, para que se veja os ajustes em cada ponto. Se for usar um modelo de uso diário, proteja sua pele antes de colocá-lo, com um liner, que é um tubinho de algodão com lycra confeccionado no comprimento dos corsets, mas um número menor, para que, ao vesti-lo, não sobre tecido. São vendidos nas lojas especializadas.

Os modelos indicados para uso contínuo são: Waist Cinchers e o Underbusts.

Ilustração dos efeitos do tight lacing, antes e depois.

Ilustração dos efeitos do tight lacing, antes e depois.

Contra-indicações

As mulheres com problemas de saúde como: problemas de coluna, hipertensão, insuficiência respiratória, entre outros, não devem praticar o tight lacing, portanto, antes de iniciar a prática, informe-se sobre seu estado de saúde!

Veja mais!