Por Daiane Silva em 19/10/2011

A região Mediterrânea, que dá nome à essa dieta, é uma região de países que são banhados pelo Mar Mediterrâneo e compreende os continentes: europeu, africano e asiático. Mesmo que nesses países envolvidos os hábitos culturais sejam tão diversos, algumas características de clima, solo e temperatura, acabaram influenciando seus costumes alimentares, tornando famosas a longevidade e vida saudável, longe de doenças crônicas, de seus habitantes. Aí surgiu a “Dieta Mediterrânea”, que na verdade são os hábitos alimentares costumeiros desses povos que foram adotados por quem deseja conseguir os mesmos benefícios.

Dieta Mediterrânea

É uma dieta que utiliza muito carboidrato e fibras, é pobre em ácidos graxos saturados, produtos industrializados e doces (ricos em gordura e açúcar) e rica em monoinsaturados, derivados do azeite de oliva, que é uma das estrelas dessa alimentação funcional.

Alimentos como: pão, massas, frutas secas, legumes e frutas, saladas e verduras, consumo moderado de pescados, aves, produtos lácteos e ovos, além do costume de consumir uma pequena quantidade de vinho às refeições todos os dias e de utilizar o azeite de oliva como principal fonte de gordura da dieta, tudo isso garante as vantagens da dieta que, além de não engordar, ainda tem outras funções importantes.

Alguns dos seus benefícios

  • diminuir os riscos de câncer,
  • defender a pele de agressões dos radicais livres,
  • proteger o coração contra infartos,
  • retardar danos ao cérebro causados pela senilidade e
  • aumentar a longevidade.

Propriedades dos alimentos do cardápio dessa dieta

Dieta Mediterrânea

  • FRUTAS E HORTALIÇAS: previnem câncer, devido à grande quantidade de fibras e antioxidantes (betacaroteno, licopeno e vitaminas E e C);
  • CEREAIS: quando são integrais, além de fornecerem energia ao organismo, ainda possuem vitaminas do Complexo B, E, selênio e fibras, o que contribui ainda mais;
  • LEGUMINOSAS: evitam câncer de cólon e reto (intestino grosso), constipação, diminuem o nível de colesterol ruim (LDL), prevenindo assim o surgimento de doenças cardiovasculares. Tudo isso devido à concentração de fibras e proteínas vegetais;
  • OLEAGINOSAS (amêndoas, azeitonas e nozes): possuem ácidos graxos mono e poliinsaturados, que reduzem as possibilidades de colesterol alto no sangue. Quem deseja emagrecer deve ter certo cuidado com seu consumo pois são muito calóricas
  • PEIXES: agem contra o surgimento de várias doenças, como: arterosclerose, hipertensão, doenças do coração e câncer, pois são ricos em ácidos graxos e ômega 3;
  • IOGURTES: além de serem fontes de cálcio, que contribui na prevençaõ da osteoporose, ainda possuem lactobacilos vivos, que protegem nossa flora intestinal de micoorganismos patogênicos que possam estar presentes;
  • VINHO TINTO: previne a formação de placas de gordura nos vasos sanguíneos (ateromas), o que diminui o risco de doenças cardiovasculares, devido à ação antioxidante dos flavonóides, encontrados em grande quantidade no vinho e também no suco de uva. Na cultura mediterrânea, o vinho é bebido às refeições, evitando os efeitos tóxicos ao organismo, por causa dos alimentos.
  • AZEITE DE OLIVA: na cultura mediterrânea, o azeite de oliva é usado praticamente em todos os preparos de alimentos que exijam gordura, por isso, é consumido diariamente. Ele é rico em fenóis (antioxidantes) e em ácido graxo monoinsaturado, que aumenta o colesterol bom, HDL, o que beneficia o coração. Só é bom lembrar que, apesar de todos os benefícios, esse azeite também é gordura e calórico, então, seu consumo não pode ser exagerado!

Esses alimentos da dieta mediterrânea são saudáveis e saborosos, sendo facilmente incorporados à rotina e também fáceis de serem encontrados em nosso país, por isso, se você quiser se alimentar de forma muito saudável, garantindo boa forma e vida longa, longe de doenças, aproveite e comece já!

Veja mais!