Por Pollyana Batista em 25/11/2016

A chegada da menopausa é uma fase importante na vida de uma mulher. Primeiro, porque ela está deixando a fertilidade de lado e entrando em um período no qual ela pode enfrentar alguns problemas de saúde devido ao fim do ciclo menstrual e ovulatório.

Essa fase chega para todas por volta dos 45 a 55 anos de idade. Mas, os sintomas podem começar um pouco antes, em um período chamado de climatério, onde a mulher está deixando de menstruar e entrando na menopausa.

Tudo acontece por conta da diminuição dos hormônios estrogênios. Essa redução hormonal pode levar à atrofia vaginal, que ocorre quando há um ressecamento da área.

O problema pode se agravar quando a mulher entra definitivamente na menopausa, pois três anos após isso acontecer, a vagina pode ficar até 47% mais ressecada, como afirmam os especialistas.

Conheça os sintomas da atrofia vaginal durante a menopausa

Foto: depositphotos

“Na prática, as mulheres sentem os efeitos da atrofia quando percebem que a região íntima está mais seca. As reclamações normalmente são sobre a falta da lubrificação natural da vagina no momento das relações sexuais, bem como a baixa da libido”, explica Lucia Alves, coordenadora do Serviço de Medicina Sexual do setor de Reprodução Humana do departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Universidade de São Paulo.

A atrofia vaginal tem diversos efeitos na saúde da mulher. A especialista explica quais as principais consequências dela. Descubra.

Você tem dor ao urinar?

A incontinência urinária, seguida de dor pode ser um dos efeitos da atrofia vaginal. Se você já está na menopausa e sente esses sintomas está na hora de procurar um profissional da ginecologia.

Tem corrimentos?

Outra forma de identificar o problema de atrofia é se, constantemente, você percebe algum corrimento vaginal. Isso pode ocorrer devido à ausência de acidez na região, por conta do pH desregulado, situação típica dos organismos em menopausa.

Você sente coceira na região?

Por conta do ressecamento, você pode sentir uma coceira insistente na vagina. Evite coçar para não irritar a região e procure um médico o mais rápido possível.

Manter relações sexuais é um incômodo?

A atrofia vaginal tem como consequência a falta de lubrificação na região intima, portanto, pode acontecer se você sentir dores durante o ato sexual ou alguma ardência depois dele.

Qual é o melhor tratamento para atrofia vaginal?

Se não for tratada, a atrofia vaginal pode chegar a casos extremos nos quais ocorre o deslocamento dos genitais e alguns órgãos internos como útero, intestino e bexiga perdem a sustentação e são expelidos pela pelve.

A ginecologista lembra que o fundamental é procurar ajuda. “O importante é a mulher saber que os sintomas não são normais e precisam ser reportados ao ginecologista”, ensina a médica Lucia Alves. Para isso, existem tratamentos com a reposição de estrogênios, o uso de promestrieno e outras substâncias como estrogênios equinos conjugados e estriol.

Veja mais!