Por Daiane Silva em 21/07/2011

O que é?

O crescimento desordenado das células de alguns órgãos forma tumores malignos. No caso do pâncreas o tipo mais comum é o Adenocarcinoma, que representa até 90% dos casos.

É um tipo de câncer de grande mortalidade devido aos sintomas tardios e de difícil definição, além de ser extremamente agressivo. A incidência é maior conforme a idade avança, é comum em pessoas acima dos 60 anos, sendo bastante raro antes dos trinta anos de idade.

Causas

O tabagismo e o uso de derivados do tabaco estão diretamente associados ao câncer de pâncreas e das vias biliares; tendo os fumantes três vezes mais chances de desenvolver câncer de pâncreas do que os não fumantes.

Além disso, excessos de gorduras e carnes na alimentação e consumo crônico de álcool também contribuem para essa doença.

Pessoas que pertencem ao grupo de risco precisam ficar atentas a qualquer sintoma. São elas:

  • Pessoas que sofrem de pancreatite crônica ou de diabetes Melitus;
  • Pessoas com histórico familiar de câncer;
  • Pessoas com síndromes genéticas como Síndrome de Lynch ou Síndrome de Melanoma familiar.

Sintomas

Dor Abdominal

A dor abdominal que parece ser na chamada “boca do estômago”, mas que às vezes irradia também para as costas, confundindo-se com dor na coluna. Existindo dor, evidencia que os nervos ao redor do pâncreas já foram atingidos, o que, por si só já é um sinal de incurabilidade.

O emagrecimento é outro dos sintomas e a icterícia (olhos e pele amarelados, é causada por obstrução biliar) nos casos avançados.

Tratamento

As células tumorais desse tipo de câncer apresentam uma resistência muito grande aos medicamentos disponíveis, o que dificulta demais a obtenção de bons resultados. Também é importante o tipo de hospital no qual o paciente recebe o tratamento, se não for em um centro de referência para tratamento desse tipo específico de câncer, mas num hospital-geral, por exemplo,diminui o número de pacientes que sobrevivem cinco anos após o tratamento. O sucesso do tratamento também depende muito do estágio em que o câncer está quando começa a ser tratado.

Ilustração da localização do Pâncreas

Se não há metástases (se o tumor não se alastrou para outros órgãos) pode ser feita a remoção cirúrgica – esta é uma das cirurgias mais extensas feitas no aparelho digestivo – se for o caso de metástases no fígado, ossos ou no pulmão, ou se tiver invadido veias e artérias próximas, a quimioterapia e a radioterapia são indicadas.

Prevenção

Evitando os fatores de risco sempre que possível, principalmente com relação ao consumo de tabaco e seus derivados. Também estão avançando as pesquisas para o diagnóstico precoce do câncer de pâncreas, o que já representa uma boa notícia na prevenção desse tumor.

Veja mais!