Por Daiane Silva em 21/07/2011

O que é?

É um tumor maligno causado por uma multiplicação desordenada e exagerada das células. Suas células tem a capacidade de se alastrar e invadir células sadias, formando metástases. Se estas células malignas chegam à corrente sanguínea, se espalham para outros órgãos e formam novos tumores.

Existem tumores que aparecem nas mamas que são chamados benignos, são os cistos e os fibroadenomas, que não tem o crescimento rápido dos tumores malignos e nem se espalham por outros órgãos, além de não ultrapassarem certo tamanho. Muito comuns, os cistos, por exemplo, são nódulos dolorosos que costumam aumentar um pouco antes da menstruação e os fibroadenomas podem ser retirados por meio de uma cirurgia simples, com anestesia local.

Sintomas

Autoexame de Câncer de Mama

Se a mulher costuma fazer o autoexame das mamas a cada mês (por volta de sete dias após a  menstruação e, se já não menstrua, uma vez ao mês, a qualquer época), espera-se que ela conheça bem seu corpo, podendo perceber alterações agudas em qualquer uma das mamas. Se houver algum nódulo mais duro ou de tamanho maior do que costumava ter, uma assimetria entre as mamas ou deformidade em alguma delas, ou se notar uma secreção sanguinolenta saindo dos mamilos, é necessário procurar urgentemente um médico para que ele examine cuidadosamente as mamas e faça uma mamografia, avaliando se o sintoma pode ser de um câncer.

Nos casos de Carcinoma inflamatório, a mama apresenta-se vermelha, inchada e quente.

Causas

Existem muitos fatores de risco para o desenvolvimento de câncer de mama, tais como:

  • Idade acima de 50 anos (normalmente são as mulheres de mais idade que tem esse tipo de câncer);
  • A terapia de reposição hormonal para combater os sintomas da menopausa, expõe a mulher a níveis elevados de estrogênio e progesterona, hormônios que aumentam o risco de câncer de mama;
  • Anticoncepcionais orais, quando tomados por muito tempo, também aumentam o risco;
  • Tratamentos com radiação na região do tórax aumentam o risco de se desenvolver câncer de mama;
  • Excessos na ingestão de bebidas alcoólicas (se beber mais de uma dose por dia, mais do que uma taça de vinho ou uma garrafa pequena de cerveja, por exemplo, que é considerada uma dose preventiva de doenças, a pessoa aumenta o risco);
  • Obesidade (mulheres cujo peso aumentou muito após a menopausa ou os 60 anos de idade, são as que têm mais chance de ter câncer de mama);
  • Alimentação desregrada é fator de risco para desenvolvimento de muitos tipos de cânceres e outras doenças, portanto, uma dieta balanceada, rica em frutas e verduras e com pouca gordura animal, contribuirá para a saúde de modo geral;
  • Sedentarismo após certa idade é altamente perigoso para o desenvolvimento desse tipo de câncer, já que atividades físicas diminuem a quantidade de hormônio feminino circulante e este tipo de câncer está associado a esse hormônio;
  • Não ter tido filhos ou tê-los tido acima dos 35 anos de idade;
  • Menarca precoce e menopausa tardia expõe a mulher por mais tempo aos hormônios femininos, por isso aumentam o risco;
  • Se mãe, irmã ou filha tiverem desenvolvido câncer de mama, principalmente antes da menopausa, a mulher tem mais chance de desenvolvê-lo;
  • São casos raros, mas homens também desenvolvem este câncer. Se tiverem um pai ou irmão que tenha tido, este tem mais propensão;
  • Pessoas que estejam num grupo de risco devido ao histórico familiar devem procurar um médico, para que ele possa fazer um exame genético e detectar as possíveis chances de desenvolver um câncer.

Há certas situações que favorecem para que a mulher tenha menos propensão a desenvolver este tipo de câncer, como por exemplo:

  • Amamentação, principalmente quando o tempo for longo, mais de um ano, mesmo que seja somando os períodos em que amamentou;
  • Menopausa cirúrgica (quando há a retirada cirúrgica dos ovários, o que diminui a produção de estrogênio);
  • Uso de medicação para bloquear o estrogênio (como o medicamento  Tamoxifen), quando a mulher pertence ao grupo de risco de desenvolver câncer de mama.

Tratamento

Ilustração de Nódulo no Seio

O tratamento vai depender do estágio em que o câncer se encontre, da idade da paciente e seu estado de saúde de forma geral, se o câncer se espalhou ou não entre outros fatores. A detecção precoce do câncer possibilita melhores resultados do tratamento. Normalmente a pessoa com câncer é tratada por vários especialistas que informam ao médico principal sobre seu progresso.

Em estágios iniciais, é comum a lumpectomia (cirurgia na qual o médico remove apenas  o tumor e pequena quantidade de tecido ao seu redor) combinada com a radioterapia.

Caso o tumor tenha se espalhado para outras partes da mesma mama, pode ser feito uma combinação de quimioterapia com cirurgia, em que o médico diminui o tamanho do tumor com a quimioterapia e depois o remove cirurgicamente.

Se for o caso de o tumor ter se espalhado em outras partes do corpo, como ossos ou pulmão, a pessoa recebe quimioterapia e também terapia hormonal para destruir as células cancerosas e, em alguns casos a radioterapia também pode ser útil para conter a doença.

Tratamentos padrões:

  • Remoção do tumor através de cirurgia;
  • Terapia hormonal, evitando o crescimento das células cancerosas;
  • Radioterapia para destruir as células cancerosas;
  • Quimioterapia para matar as células cancerosas.

Prevenção

Evitando, na medida do possível, os fatores de risco e também, fazendo o autoexame regularmente e a mamografia anual, caso tenha mais de quarenta anos, mantendo-se alerta a qualquer sintoma e procurando um médico o mais rápido possível.

Veja mais!