Por Natália Petrin em 08/10/2015

Muitas pessoas por aí carregam consigo um problema em comum, que acaba não sendo comentado por vergonha ou muitos outros motivos: o suor excessivo nas axilas. Causando mal cheiro e constrangimento por causa das marcas nas roupas, o suor é totalmente indesejado por todos. Mas como resolver o problema?

Letícia, ex-BBB explica o botox nas axilas

A ex-BBB Letícia Santiago sofria com esse problema e, dentre os procedimentos para dar uma repaginada em seu visual, passou por uma aplicação de botox nas axilas, como uma forma de conter o cheiro forte do suor.

Em seu Instagram, Letícia explicou que o procedimento “É útil para quem transpira bastante. No meu caso não era muito, mas aumentou demais, porque meu metabolismo acelerou com os treinos seis vezes por semana”.

Pode parecer uma medida estranha de se tomar, mas segundo Alberto Cordeiro, dermatologista, o procedimento funciona e já é bastante usado na dermatologia.

Procedimento e Resultados

Botox para eliminar o suor excessivo nas axilas

Foto: Reprodução/ internet

O tratamento pode ser feito no consultório mesmo, sem exigir grandes intervenções como anestesia ou internação. Pode ser usado um anestésico tópico no local para a aplicação de botos ou toxina botulínica. Em 20 pontos, aproximadamente, a substância é aplicada para inibir a ação do nervo que manda os sinais de que a glândula sudorípara deve produzir o suor. “O que acontece é uma reação bioquímica: o botox deixa o nervo inativo, e ele não manda mais estímulos para a glândula. A toxina butolínica impede a liberação de acetilcolina, a glândula “não entende” que deve suar e não produz o suor”.

A dor do procedimento é mínima, pois é usada uma agulha bastante fina, mas sempre tem o lado negativo. Como sabem, o botox não é permanente. Portanto, o procedimento, apesar de eficaz, é temporário, durando aproximadamente seis meses, segundo Cordeiro. “Depois de seis meses, passa o efeito do botox, o suor volta e, se a pessoa quiser manter o resultado, deve repetir a aplicação”.

O procedimento somente é indicado para quem realmente tem problema com suor excessivo e que incomoda no convívio social. É contraindicado para pacientes gestantes ou em fase de amamentação. Devem esperar para realizar o tratamento qualquer paciente que esteja com doenças sistêmicas como pneumonia ou gripe.

Efeitos colaterais e riscos

Sangramentos, hematomas, inchaços e dores podem acontecer após o procedimento que, no entanto, não apresenta riscos, segundo o dermatologista. Esses sintomas devem passar em torno de uma semana.

Veja mais!