Por Ana Ligia em 28/11/2017

Alguns dos problemas estéticos que mais nos incomodam são as acnes, cicatrizes, rugas e manchas. E existe um poderoso produto capaz de combater a todos eles de uma só vez: o ácido retinoico.

Também conhecida como Vitamina A ácida ou tretinoína, o produto tem a função de rejuvenescer as células, deixando-as mais oxigenadas e com isso possibilitando uma superfície de pele melhor nutrida.

Segundo a dermatologista membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da American Academy of Dermatology (AAD), Claudia Marçal, o ácido deve ser a primeira escolha para quem pretende combater esses problemas, mas só deve ser utilizado sobre prescrição de um especialista. “E o ácido é considerado padrão ouro no rejuvenescimento domiciliar. Ele é estimulador de neocolagênese e estimula colágeno do tipo 1 e do tipo 3”, explica.

Onde e como usar o ácido retinoio?

O ácido retinoico é um ácido que pode ser utilizado em conjunto com outros ácidos como o ácido hialurônico

Seu uso tem de ser obrigatoriamente noturno (Foto: depositphotos)

Segundo a dermatologista, o ácido retinoico deve ser usado no rosto, dorso das mãos e colo. O produto geralmente é utilizado uma vez por semana e sua fórmula tem que ser extremamente rica em hidratantes.

“Quanto à quantidade do produto: um grão de ervilha numa camada sempre fina, ou seja, assim que acabo de passar, olho para o espelho e digo ‘não vejo nada’: essa é a camada ideal. O melhor é começar com a aplicação de duas a três vezes por semana, intercalados com nutritivos adequados àquela pele”, revela.

Cuidados necessários

Os cuidados variam de acordo com cada tipo de pele. Por exemplo, aquelas mais oleosas, necessitam de nutritivos mais leves, com textura mais seca e menos gordurosas.

Veja também: Doenças de pele causadas por produtos para o cabelo; veja como tratar

Já os pacientes com uma pele seca, mulheres na menopausa ou que estejam usando o retinoide em um período pós-procedimento (como um laser, por exemplo), necessita de produtos que firmem a pele. Isso fará com que uma barreira de lipídeos e água sejam formada, evitando que a pele seja irritada ou fique hipersensível.

“Esse creme, então, traz os micronutrientes de reparo para uma ação antioxidante, mas ele também traz o conforto, a hidratação, o lipídeo que é a gordura natural de proteção e formação da membrana hidrolipídica, que reveste a nossa epiderme. A Vitamina A é um ácido que pode ser utilizado em conjunto com outros ácidos como o ácido hialurônico, mas não deve ser usado com o glicólico ou com o mandélico; e sempre num padrão com ativos que melhorem a irritabilidade, porque se a concentração do produto for muito elevada ou o paciente abusar da quantidade, ele pode causar uma dermatite irritativa de contato, além de ser fotossensível à luz do sol”, conta.

Riscos

O uso do ácido pode ter alguns efeitos colaterais caso não seja devidamente usado, como provocar irritabilidade, vermelhidão, coceira, hipersensibilidade e até mesmo uma queimadura.

Veja também: Como fazer um creme caseiro de babosa

“Os retinoides, normalmente, são prescritos durante o inverno; nunca prescrevemos retinoides de uma maneira contínua porque a pele vai ficando mais fina, mais avermelhada, com aspecto muito mais delicado e isso faz com que ela tenha uma maior sensibilidade aos agressores ambientais — o que significa: mormaço, calor, luz visível e especialmente o sol. Seu uso é obrigatoriamente noturno“, destaca.

Veja mais!